quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Carnaval dos peludos!!

O carnaval dos peludos foi agitado!!

Foram entregues 200 kg de ração ao Quintal da Penha e do Paulinho!
Vejam só:


No Quintal da D. Cecília, a trupe aumentou!
7 animais foram acolhidos, após serem resgatados por ela, em situação de risco e abandono...
Dois deles...



Glaucia e a voluntária Juliana Cordeiro estiveram por lá levando casinhas que foram doadas pela Mara e pelo Felippe, e que agora já estão sendo usadas por esses animais recentemente acolhidos, que estavam dormindo ao relento!..

  

Também foram triados quais cães serão tosados no próximo domingo, ação esta que ajudará e muito no combate à infestação de carrapatos *.

A linda da Hanna foi trazida pelas voluntárias, fará alguns exames com a Dra. Tatti, será castrada e estará, em breve, prontinha para ser adotada!


Pois é!.. Feriado de alta produtividade em prol dos peludos!

* Não se esqueçam: estamos em plena campanha de arrecadação de toalhas velhas, xampu e material de limpeza para serem usados no próximo domingo, 26.02, no mutirão de Banho e Tosa que vai acontecer no Quintal da D. Cecília!! Ajude-nos com o que puder e na divulgação!!!


Equipe Cão Sem Fome

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Mais uma querida para o time CSF!


Não é só o número de cães assistidos que vem aumentando aqui pelo Projeto!!!
Felizmente o número de colaboradores e voluntários, aos poucos, também vem aumentando!..
É com muita alegria que damos às boas-vindas à mais recente voluntária oficial do CSF...

Dra. Vivian Calderelli, médica veterinária!

Uma querida que se juntou a nós, à nossa causa e com muito carinho vem participando das ações em prol dos nossos peludos!!

Vivian, sua contribuição não tem preço! 
Como sabe, tem coisas que só um veterinário(a) pode fazer por um animal e você se junta a nós num momento em que muito precisamos dessa ajuda!..
Seja muito bem-vinda!

Ela e a queridíssima Dra.Tatti são as anjinhas da guarda de jaleco dos nossos cães!


Vale lembrar que todas as despesas médicas com tratamentos, cirurgias, vacinas, medicamentos, estão sendo  e serão pagas com a venda das ecobags!..
Muito já foi feito, mas uma parte ainda maior está por fazer, portanto, precisamos de muita ajuda!

Você já adquiriu a sua?
Que tal presentear alguém??
Acesse este link e saiba como!

Equipe Cão Sem Fome

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Fim de semana de ajuda

Mais um fim de semana em que a galerinha do Cão Sem Fome arregaçou as mangas e cumpriu sua missão!


SALDO FINAL:
47 peludinhos vacinados! 
600 Kg de ração entregues
3 filhotes adotados!


E isto só foi possível porque temos contado com preciosos colaboradores, padrinhos, madrinhas, voluntários e parceiros!!!
Um agradecimento muito especial à Dra. Tatti, Dra. Vivian Calderelli, Mara Fristachi, Rose Zacardi, Claudia Schiavon, Karla Chachet, Alessandra Conti e ao Felipe
A luta é constante e árdua, mas fazer esse percurso acompanhados de parceiros tão estimados, não tem preço!
Algumas imagens de mais um dia de ajuda aos peludos:












Valeu galera!!!!




Equipe Cão Sem Fome

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Canil da D. Cida - 134 cães!!


Há algum tempo recebemos um pedido de ajuda para o canil da D Cida em Ibiúna, através da protetora Ione, uma pessoa muito querida que luta pelos direitos dos nossos amigos peludos.
Foi nesse domingo ensolarado que marquei uma visita para conhecer de perto a realidade dessa mulher que cuida sozinha de 134 cães! Eu (Glaucia) e os voluntários Ione, Leonardo e Silvana fomos cedinho para Ibiúna. De sorriso aberto, D Cida foi nos buscar com seu fusca branco no local marcado.
Minha primeira pergunta foi como ela começou. A resposta foi simples. “Comecei com 4 cachorros, e então outros foram chegando: vítimas de maus tratos, abandono e da crueldade dos homens. E foram ficando... “
Hoje somam 134, o que a obrigou a trocar sua casa na pequena cidade de Ibiúna-SP por uma chácara nas proximidades.
Lá, construiu os canis, precários, mas bem cuidados. Com casinhas para os peludos se abrigarem, árvores que oferecem sombra...
Com tantos cães a dificuldade hoje é grande, afinal o velho ditado “Onde comem 4; Comem 5”  não se aplica a 134 não é?
São 1.200Kg de ração por mês, fora os cuidados com vacinação e remédios de todos.
Cerca de 35 animais estão desabrigados, por falta de canis, mas para esse coração enorme, estar desabrigado não significa ficar ao relento e sim que esses 35 cães moram dentro da casa da D Cida!
A casa tem 3 cômodos. Na sala e na cozinha se aglomeram 15 a 20 animais em cada cômodo, portanto há urgência em se construir mais três canis.
Em um banheiro minúsculo ficavam 7 filhotes, que pudemos transferir para um dos canis. Acreditem, foi uma farra transportar os bichinhos, todos observados pela Fada, uma cachorra idosa que recebeu a turminha do barulho no seu cantinho... Esperamos que eles fiquem bem!
Vejam algumas imagens:






 



O Projeto Cão sem Fome colaborou com a doação de 150Kg de ração, arrecadados nas nossas campanhas, principalmente de coletores.
Estaremos destinando uma quantia mensal de ração para a D. Cida, mas para isso precisamos cada vez mais da colaboração de vocês.

SAIBA COMO AJUDAR!!
Os coletores são uma forma muito eficaz de arrecadarmos ração. Você pode colaborar doando qualquer quantia e marca de ração através do nosso email ou através dos coletores, que estão disponíveis em alguns estabelecimentos.
Você pode ajudar também colocando nossos coletores em pet shops da sua região e nos repassar as doações.
Ou você pode fazer campanhas na sua faculdade, na sua escola e local de trabalho
Podemos colocar coletores em qualquer estabelecimento. É um pequeno gesto, que salva vidas! 

Graças a eles podemos alimentar cada vez mais animais!

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Coluna da Dra. Tatti: Crueldade no Aniversário de São Paulo

Nessa louca metrópole de hábitos, culturas, personalidades e pessoas tão diferentes, meu coração se encheu de ódio, expectativa, medo, compaixão, esperança, solidariedade e, por fim, tristeza.

Era meu dia folga e o telefone tocou. Era Mariana, nossa dedicada plantonista, relatando que tinha acabado de atender um cão esfaqueado trazido por um carroceiro. O homem, com toda franqueza, se antecipou em dizer que não tinha condição para pagar, mas que havia levado o animal porque não poderia deixá-lo naquela situação. Ele precisava de socorro. Ao ouvir aquela história eu também precisava de socorro, além de coragem para enfrentar a situação e lidar com uma das coisas mais difíceis para mim: a crueldade do homem contra um animal.
Confesso que subi as escadas da clínica morrendo de medo do que iria encontrar. Já sabia que a situação era crítica mas, ao entrar na sala, tudo pareceu ainda pior. Não vou detalhar o estado daquele cão e nem postar fotos de tamanha crueldade. Prefiro poupá-los desses detalhes. Sr. Carlos, o carroceiro, chamava de Alemão o cão que o acompanhava pelas ruas. Perguntei quando o tinha encontrado naquele estado, se o cão estava andando e se tinha se alimentado. A resposta do Sr. Carlos me causou mais dor. “Ele comeu sim. Não comi toda a marmita de manhã e a dividi com ele”, disse.
Expliquei que faríamos o possível. Alemão já estava medicado e o próximo passo seria a cirurgia. Sr. Carlos saiu da sala e disse que ficaria esperando do lado de fora, fumando seu cigarro.
Foram aproximadamente três horas de cirurgia. Anestesiado, Alemão não sentia mais dor. Eu também estava mais calma e confiante. Afinal, Alemão teria até um lar provisório graças a minha amiga Janaína e ao projeto Salva Cão. O ferimento maior era na cabeça: Alemão estava sem uma orelha e, num primeiro momento, não sabíamos por onde começar. Com o apoio fundamental da Mariana, fiz pouco a pouco o meu melhor. Cirurgia finalizada, tudo certo! Fizemos uma bandagem nos ferimentos para proporcionar mais conforto e liguei para minha amiga Janaína para dizer que tudo corria bem. Faltava apenas esperar Alemão acordar para eu o levar até seu lar provisório. Pedi para a recepcionista avisar ao Sr. Carlos que Alemão não poderia voltar para a rua naquele momento. Falei que a clínica em que ele se hospedaria era em Perdizes. O carroceiro achou bom por ser perto de onde ele fica. Assim poderia visitá-lo.
Alemão ainda estava entubado, coração batendo, respiração normal. De repente, os batimentos foram espaçando… Mais uma vez fizemos tudo o que podíamos.  Levamos mais de meia hora para aceitar que ele não voltaria mais. Alemão devia ser velhinho porque mal tinha dentes. Eu não me conformava. Ele não poderia nos deixar depois de tudo o que fizemos. Não era justo comigo, não era justo com aquele homem que o esperava ansiosamente. Saí da sala e chamei pelo Sr. Carlos. Falei que havíamos feito de tudo, mas que Alemão não tinha resistido. O senhor quis vê-lo para se despedir. E então voltou ao meu encontro, me deu um beijo na testa, um abraço forte e disse: “Obrigada, minha filha. Que Deus te abençoe”.
Fui para casa arrasada, mas tive uma casa para onde ir. Pude tomar um banho, comer e então deitar em minha cama. Mas e aquele homem? Estaria na rua novamente, sem consolo, sem casa, dividindo sua comida com os amigos de quatro patas. Porque ele disse que ainda tinha muitos! E essa história não me sai da cabeça. Queria poder abraçar o Sr. Carlos novamente e dizer que ainda me importo com ele, que ainda sinto pelo Alemão.
No final da semana ouvi algo que me confortou.  Minha psicanalista disse que uma vez ouviu que nós ”apenas morremos para ir para o céu”, ou que “apenas vivemos para ir para o céu”. E como um último conforto, disse que eu preparei o Alemão para chegar ao céu em melhores condições. Prefiro acreditar que sim! Alemão foi para o céu em melhores condições e não sofre mais. Mas e como será a vida do diversos senhores Carlos que existem por aí, vagando pelas cidades na companhia de seus cães?
Dra. Tatti
Por essa e por tantas outras mil histórias semelhantes a esta que acontecem todos os dias é que não podemos desistir, deixar de lutar e brigar por aqueles que nada podem fazer por si mesmos!!! Do mesmo modo que há inúmeros malfeitores que agridem, maltratam, abusam e matam animais, há também inúmero D. Cecílias, Penhas, Terezinhas, Cidas... E é por ter convicção de que o bem é superior e vence o mal é que nossa luta tem que ser constante e se fortalecer cada vez mais na direção de exercer e exigir que os direitos dos animais sejam cumpridos e respeitados.
Dra. Tatti, seu lugarzinho no céu está garantido e certamente, cheio de bichinhos gratos, te aguardando!..
Equipe Cão Sem Fome