quinta-feira, 26 de abril de 2012

Cinomose - sim devemos temê-la!


A cinomose é uma doença viral altamente contagiosa, que acomete os cães entre outras espécies como furões, gambás, focas, botos e felinos exóticos. A transmissão ocorre de cão para cão, infectando mais facilmente cães jovens e não vacinados. 

No ambiente, o vírus da cinomose morre facilmente com o calor e o uso de detergentes comuns. Entretanto, pode resistir por semanas em temperaturas próximas ao congelamento.

O vírus pode acometer o sistema respiratório, digestivo, imunológico e neurológico. Os sinais e sintomas variam de acordo com cada a animal. É comum observarmos secreção nasal e ocular purulenta, emagrecimento, lesões na pele, coxim endurecido, febre, apatia, falta de apetite, tremores e, em casos mais avançados, incoordenação e convulsão. Esses sintomas podem aparecer concomitantes ou isolados.

Pela minha experiência clínica posso afirmar que não há um padrão de evolução da doença. Já atendi animais em condições graves com prognóstico ruim que se curaram, e outros saudáveis sem sinais aparentes e que em poucas semanas apresentaram sintomas e vieram a óbito.

Não há tratamento específico para o vírus da cinomose. As medicações utilizadas são de acordo com a fase da doença, a sintomatologia e condição clínica de cada paciente. Mesmo curado, alguns animais podem apresentar seqüelas como tremor e "tiques". Para isso, já vi bons resultados com a acupuntura.

O diagnóstico é feito através do exame clínico e exames laboratoriais. E a prevenção da doença é feita única e exclusivamente pela vacinação. A vacina que previne é a V8 e V10, utilizada apenas por veterinários e aplicadas mediante a um exame minucioso do paciente.

Num hospital onde trabalhei cansava de atender cães com vacinas aplicadas em casa de ração, e infectados pelo vírus da cinomose. As vacinas que são vendidas em balcões não são eficazes e por isso a chamamos de vacinas não éticas. Essa é uma economia que realmente não vale a pena!

Portanto, não deixem de vacinar seus cães ainda quando filhotes. O ideal é iniciar a vacinação aos 45 a 60 dias de vida. Um filhote deve receber no mínimo 3 doses de vacina (V8 ou V10) num intervalo entre 21 a 30 dias. Após esse período a dose será única e anual. Se o animal não tiver peso suficiente ou estiver em tratamento para alguma doença esse prazo pode ser ultrapassado.



Lembre-se que um filhote sem vacina não pode ter contato com outros cães que não sejam vacinados. Os passeios também devem ser evitados até que o esquema de vacinação esteja completo.

A cinomose é grave e muitas vezes letal. Cuide bem do seu pet e nunca deixe de consultar um médico veterinário de sua confiança!

Beijos, abraços e um bom feriado a todos!!

Dra.Tatti

Um comentário:

  1. Corrigindo a informação acima, o intervalo vacinal deve ser de 21 a 30 dias e não 40. É importantíssimo respeitar esse prazo nas primeiras 3 doses de vacina.

    Tatti

    ResponderExcluir

Comente!