sábado, 21 de dezembro de 2013

Viajar com cachorro é tudo de bom!

Nesta época do ano o abandono de animais cresce de forma assustadora, pois infelizmente muitas pessoas abandonam seus cães para irem viajar e “aproveitar” as festas.

Por outro lado, há pessoas que não viajam por não terem aonde deixar seus cães. Poucos cogitam levar seus cães na viagem e aproveitar esse tempo juntos. As pessoas acabam vendo nisso uma grande dificuldade e não precisa ser assim. Uma viagem planejada pode incluir com tranqüilidade o seu animal de estimação.

Foi o que fez a Fabiana A., uma amiga do Cão sem Fome. Ela saiu de férias e viajou de carro sozinha de São Paulo/SP à Balneário Camboriú/SC com seus grandes amigos Kira e Conan.  E quando a gente fala “grandes” é porque são grandes mesmo: Um Dogue Alemão e uma Borzói,  galgo russo, uma raça rara no Brasil (há apenas 200 desses).

O percurso foi feito em 9 horas com uma parada pra xixi e abastecer, todos usando cinto de segurança, claro. Ela deu Dramin, um remedinho comum, para não enjoarem e dormirem. Chegando lá , os peludos ficaram em um hotelzinho de uma amiga durante um tempo e depois ela alugou o quintal de uma casa até janeiro. Não foi nada difícil fazer essa logística.

O legal é que assim, ela pode conviver com os dois durante as férias e curtir vários momentos juntos, o que é bem mais complicado na correria do dia a dia.
Ela os leva para passear na praia todo dia por no mínimo uma hora e fazem vários passeios.
Durante o resto do tempo, a Fabiana curte suas férias igual a todo mundo: Sai com amigos, vai ao cinema, barzinho ou qualquer outra coisa que queira fazer.




Os cães não atrapalham em nada as férias, ao contrário, podem torná-las ainda mais divertidas!
Se a Fabiana acha que dá muito trabalho? Imagina... é só retribuição ao carinho que eles me dão! É o que ela diz.

Então, nessas férias, que tal incluir um peludo na sua viagem, seja ele do tamanho que for. Afinal, já deu pra perceber que tamanho aqui não importa. Quem ama, arranja um jeito pra tudo.

Fica a dica!
Parabéns Fabiana e boa viagem!
 
 

Nota: O Cão sem Fome agradece à Fabiana A. pela gentileza em compartilhar sua história e suas fotos conosco. Desejamos que esse exemplo incentive as pessoas a incluírem seus peludos nas suas férias. Viajar com cachorro é tudo de bom!

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Coisinhas do Bem

Todos os anos o Cão sem Fome promove a Campanha de Sacolinhas de Natal para cães carentes. As pessoas retiram a sacolinha com o nome de um cãozinho, colocam ração e petiscos dentro e depois devolvem para a gente que encaminha essas doações aos Quintais. Outra opção é doar sacolinhas virtuais, cuja renda é revertida para os cães que foram esquecidos e ficaram sem sacolinhas.

A cada ano mais e mais pessoas se juntam a essa grande corrente do bem, o que torna a Campanha de Sacolinhas de Natal a maior Campanha do Cão sem Fome.

Organizar as sacolinhas é uma tarefa árdua e cansativa, mas sempre nos emociona. Algumas sacolinhas vêm com cartões, brinquedos, potes para comida, coisinhas fofas e gostosas. Algumas pessoas mandam presentinhos ou alimentos para os Protetores que cuidam com tanto carinho dos peludos e alguns pacotinhos vem amarrados com fitilhos coloridos no maior capricho.






A distribuição das sacolinhas é um evento muito aguardado nos Quintais. Há peludos que só comem petiscos nessa época! Os protetores recebem também cesta de Natal  e alguma ajuda "extra" de acordo com as suas necessidades.
A solidariedade é algo muito bonito de se ver. É bonito também ver os vira-latas sendo tratados com a dignidade e carinho que eles merecem, ganhando ração de boa qualidade, brinquedos novos, na embalagem e petiscos de primeira. Isso é também cidadania. Solidariedade e Cidadania mudam o mundo!

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Abandonar não é normal!

Você sabia que nesta época do ano os índices de abandono de animais dobram?
Cada vez mais pessoas abandonam seus animais para irem viajar de férias, ou para curtirem as festas de final de ano sem compromisso.
Se você gosta de animais, assim como nós, deve achar esse comportamento absurdo e execrável, porém o abandono está bem mais perto do que você imagina!
As pessoas costumam associar o descarte de animais à periferia, onde realmente se vê uma quantidade bem maior de animais perambulando sem dono. No entanto, a cultura do abandono está presente em todas as camadas sociais.
Não são raros os casos de animais descartados na frente da casa dos Protetores, que vieram dentro de carros de luxo. Outros, nem se dão ao trabalho de procurar alguém que os acolha, soltam em estradas, para que não consigam voltar para casa, ou simplesmente jogam o animal pela janela, mesmo com o carro em movimento.
Você vai encontrar pessoas com boa instrução que justificam o abandono de animais se fazendo de vítimas: "É o cachorro, ou a única oportunidade de meus filhos terem férias!" ou "São os cães, ou a saúde do meu pai!" ou ainda "É o cão, ou o sonho da minha casa nova!"
Quando essas frases dramáticas, recheadas de hipocrisia, são pronunciadas, a sociedade se cala e se torna conivente com o crime. Sim, porque: ABANDONO É CRIME. Não interessa o motivo!
Se você quer viajar, se você acha que um animal faz mal a saúde de alguém, se você quer mudar de casa e tem um animal de estimação, é bom saber que você terá que envolve-lo nos seus planos. Ele é problema seu e você tem a obrigação de realoja-lo antes de mudar, antes de sair de férias ou antes de ter uma crise familiar.
Há pessoas que fazem de seus animais, membros da sua família e há pessoas que tratam animais, como coisas, que podem ser jogadas fora quando se tornam um estorvo, ou quando causam qualquer problema.
Mesmo que você não ache que o seu animal é um membro da família, é inegável que ele é um ser vivo e que, como tal merece respeito. Abandonar um animal é uma atitude cruel, que mata aos poucos, de fome, de sede, frio ou doença.
Ao abandonar, há pessoas que acham que "alguém vai pega-lo e ele estará melhor". Isso é outra frase  de quem quer se isentar da responsabilidade. As pessoas tem que ter a consciência que: Ninguém vai pegá-lo! Os abrigos estão super lotados, principalmente por causa de pessoas assim. A maior parte dos animais não é acolhida e acaba morrendo a míngua.
Uma das formas de se combater o abandono é a conscientização. Não seja conivente com o abandono! Manifeste-se, critique, mostre que você não acha isso normal. Converse com as pessoas. Ajude a doar animais que serão abandonados. Ofereça sua casa, como um lar temporário. Socorra um animal abandonado.
Todos podemos fazer a nossa parte para diminuir o abandono!

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Campanha das Sacolinhas de Natal


A nossa Campanha das Sacolinhas de Natal já começou!
Essa é uma das campanhas mais importantes que nós temos, pois garante que todos nossos peludos passem o Natal de barriguinha cheia, como todos os cães deveriam estar.
Funciona assim:
Você pega uma sacolinha com o nome de um cãozinho e o Quintal onde ele vive nos pontos de distribuição, ou com um de nossos voluntários.
Coloca nessa sacolinha pelo menos 3Kg de ração (pode doar mais) e petiscos. Pode incluir tudo que seu coração mandar.
Daí é só devolver no mesmo lugar que você pegou a sacolinha e ela será encaminhada para um peludo carente.
Outra forma de ajudar é colaborar com sacolinhas virtuais. Você doa sacolinhas virtuais e o dinheiro é usado para ajudar aqueles peludos que não receberem suas sacolinhas.
Vamos colaborar gente?
São 380 peludos aguardando esse mimo no Natal! Temos ainda muitas sacolinhas para serem distribuídas.
Que tal organizar uma campanha na sua família ou com seus amigos?
Ou ser um ponto de distribuição de sacolinhas na sua região?

Para doar sacolinhas virtuais clique aqui.
Você pode também passar nos nossos pontos de coleta:
Pet Shop Zagos – Rua Teresina, 391 – Tel.: (11) 2369.3303
Studio Performance Pilates e Estética - Rua do Oratório, 2328
Pets Canine – Av Guilherme Giorgi, 167 - Tel (11) 2092 9218
Ou entre em contato conosco através do email caosemfome@gmail.com e peça a(s) sua(s) sacolinha(s)!


segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Calendário Esgotado

O Calendário Cão sem Fome está esgotado gente!!!
Obrigada a todos que colaboraram conosco. Acessem nosso site e vejam várias outras maneiras de nos ajudar!

Cão sem Fome é matéria da Folha de São Paulo


Neste domingo dia 10 de novembro o Calendário Cão sem Fome-2014 foi tema da reportagem do jornalista Jairo Marques, no “Caderno Cotidiano”, da Folha de São Paulo.


O Calendário é ilustrado com cães adotados no Projeto, visando incentivar a adoção de vira-latas e levou meses de trabalho para ser produzido.

Primeiro fizemos o convite para as pessoas que adotaram cães em nossos Quintais, para participarem do Projeto.

Buscamos um estúdio para fazer as fotografias e fizemos parceria com a Laís Aranha do Bicho Grilo, que curtiu tanto a idéia que acabou adotando também um cão do Projeto.

A sessão de fotos durou dois dias e acreditem, não foi nada fácil reunir adotantes e cães para serem fotografados!
 
 

Depois disso buscamos resgatar o histórico de cada animal antes da adoção e escrevemos as histórias que acompanham as fotos.

Nosso voluntário de marketing Toni começou então a diagramação, enquanto buscávamos patrocinadores para viabilizar o Projeto.


Hoje, vendo o nosso Calendário na reportagem da Folha de São Paulo, é como ver um filho muito querido fazendo sucesso. Isso nos enche de orgulho!

Agradecemos muito a oportunidade que esse veículo nos proporcionou e a sensibilidade do jornalista que fez essa reportagem.

A Proteção Animal nem sempre tem espaço para mostrar o que está realizando, enquanto pipocam na mídia tragédias, aberrações e matérias apelativas.

Sim, há muito ainda para ser feito, mas há muita coisa legal acontecendo. Acredito que vivemos em um momento importante, onde cada vez mais pessoas, se interessam pela causa da proteção e respeito aos animais.

Falar sobre as ações que estão sendo realizadas, para nós, é a solução, pois quanto mais pessoas conhecerem o nosso Projeto, mais pessoas abraçarão a nossa causa e poderemos ajudar cada vez mais.

E o que falar sobre os animais do Calendário, que tiveram uma segunda chance e hoje estão felizes e fazem famílias felizes?

A matéria na Folha não só mostra histórias de sucesso, como mostra, uma outra forma de sensibilizar as pessoas: Com histórias que enchem o coração da gente de alegria.


Toda renda do calendário é revertida para a manutenção dos 380 cães que ainda não tiveram a oportunidade de terem uma família só para eles.

O Cão sem Fome agradece à Folha de São Paulo pela oportunidade, ao jornalista Jairo Marques, à todas as pessoas envolvidas nesse Projeto e à todos que estão colaborando conosco, comprando nossos calendários que estão quase esgotados.

 

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Calendário Cão sem Fome 2014

Estamos lançando nosso "Calendário 2014 - Cão sem Fome" ilustrado com fotos de animais que foram adotados no Projeto.
Esse calendário faz parte da Campanha Adote essa Ideia, que visa incentivar a adoção de animais sem raça definida dos nossos Quintais.
Os cães foram fotografados em parceria com o estúdio Bicho Grilo - fotografia de animais, o que resultou em um projeto gráfico de primeira. Também contamos as histórias de cada um dos cães adotados: São 12 lindas histórias com final feliz para você se emocionar!
Quem gosta de cachorro vai adorar!

Para comprar o seu calendário, acesse o botão de compra PagSeguro, localizado na barra lateral esquerda deste blog ou nos mande um email: caosemfome@gmail.com

Valor: R$20,00 (com frete incluso para todo Brasil)

Para grandes quantidades, consulte-nos por email


Fazer o bem faz bem!

Equipe CSF

domingo, 20 de outubro de 2013

Pronunciamento do Cão sem Fome sobre o resgate dos animais no Instituto Royal

O promotor do Meio Ambiente de São Roque, Wilson Velasco, disse que a invasão do Instituto Royal fez com que se perdesse qualquer sustentação para o crime de maus-tratos. Velasco conduz há cerca de um ano uma investigação para apurar algum indício de violação dos direitos dos animais por parte do Instituto e até agora nenhuma medida havia sido tomada.

Nós perguntamos: Em um ano não acharam nada? Como se explica isso, se em menos de uma hora os manifestantes encontraram cães mutilados e todo o tipo de horror? Se a ação dos manifestantes invalida uma investigação que até agora se mostrou totalmente ineficaz, por outro lado cria um precedente histórico: Sim, estamos de olho! Estamos cansados da morosidade da justiça, e mais ainda de burocratas incompetentes. Chamamos atenção da população para os testes em animais e ficaremos atentos aos próximos passos dos órgãos responsáveis, dos políticos que se elegem com os votos da Proteção Animal e dos famosos que nela baseiam seu status.

Não foi o ideal? Os ativistas não usaram os caminhos mais inteligentes? Uma perícia foi totalmente invalidada? Mas foi a única saída! Sem a ação dos ativistas, o Instituto provavelmente iria sumir com os animais naquela noite mesmo e deixar todos passarem por idiotas. Todos os indícios mostravam isso e uma fuga mal sucedida é muito fácil de ser negada.

Estamos engatinhando na Proteção Animal, gente! Vivemos em um país, onde nem os direitos humanos são vivenciados, quanto mais os direitos dos animais! Somos descrentes, pois estamos cansados de esperar soluções que nunca vem! Alguém acredita na justiça? Na perícia? Na investigação? Isso no país do Mensalão???

Se essa ação, muito mais movida pela comoção do momento, do que pela razão é o que temos para hoje, acreditamos nisso como o primeiro passo para as mudanças que todos almejamos.

Sentimos que nos faltem líderes honestos e atuantes, engajados na Proteção Animal, mais preocupados com os animais do que consigo mesmos, e que tenham conhecimento e vivência suficiente para nos orientar sobre os caminhos para chegarmos aos nossos objetivos. A Proteção Animal é desorganizada, dividida e rachada por brigas de egos. Em alguns momentos podemos ver algumas correntes lutando juntas, mas isso é raro.

A violência nas manifestações do dia 19 eram mais que esperadas. Infelizmente, nenhuma manifestação até hoje salvou-se dos baderneiros que se infiltram para semear a dúvida quanto á seriedade das reivindicações. Foi assim nas manifestações que pararam São Paulo e mais recentemente, só para lembrar, na manifestação dos professores no último dia 15, que também teve quebra-quebra e vandalismo. Se as ações dos baderneiros não fosse planejada, a manifestação dos professores deveria ser o exemplo de educação e civilidade, e não foi. O que se viu ontem, junto com o vandalismo dos homens de capuz preto que queimavam carros, era o esforço dos manifestantes em impedi-los e muita vontade de manter o foco.  Esse fatos recorrentes em todas as manifestações legítimas, sejam por “passagem de ônibus”, “direitos dos professores”, ou “testes em animais” levanta uma séria questão: Muito provavelmente a maioria das ações de vândalos é “plantada” pelo grupo atacado para semear discórdia. Ainda precisamos aprender muito sobre a forma de nos manifestarmos, porém, dentro da história do nosso país, essa é uma aula pouco vivenciada.

Aos que se sentiram ofendidos com o sinal obsceno feito pela ativista carregando o pobre beagle no colo, pedimos um pouco menos de hipocrisia. Chocante é ver a fotografia do beagle que teve sue olho arrancado. Essa cena sim, deve ter despertado na maioria das pessoas, simpatizantes ou não, a vontade de levantar o dedo do meio para esse sistema podre e essa carnificina desnecessária permitida e financiada pelo governo e pelas grandes empresas. Em respeito aos nossos leitores não vamos divulgar a foto do beagle mutilado, mas ela é facilmente encontrada na internet.

A invasão do Instituto chama a atenção para nossos erros e defeitos, mas chama atenção também de toda uma sociedade para a nossa causa. Os ativistas estavam acampados há uma semana nos portões do Instituto e não havia nenhuma repercussão da mídia, quase ninguém sabia o que estavam fazendo lá.

A comoção geral causada pelo olhar dos beagles resgatados tem um efeito devastador sobre uma sociedade! Precisamos de heróis para uma luta! Principalmente para concorrer com as grandes mídias que manipulam as massas defendendo seus clientes e seus gordos contratos de patrocínio. Precisamos de experiências tocantes, que comovam, que inspirem, que chamem à reflexão e tragam mais e mais pessoas para a nossa causa. Somos uma minoria! É fato! Mas não significa que não estejamos com a razão.

Para aqueles que dizem que a ação toda foi inútil, que o Instituto continuará aberto e os animais simplesmente serão substituídos, prefiro lembrar que fez a diferença para cada animal resgatado. Não importa se serão substituídos, se milhares ainda vão morrer agonizando. Esses que foram resgatados não vão! Já valeu a pena!

Amigos da Proteção, vamos parar de dar tiro no próprio pé!? Parar de só apontar nossas próprias falhas e lamentar as injustiças que nos causam? Hora de união e apoio mútuo. O Cão sem Fome continua apoiando a ação que resgatou os animais, sejam eles 10, 100 ou 1000. Não importa! Fizemos o que podíamos ter feito.

Dentro disso, seja qual for o desfecho desse episódio marcante da Proteção Animal, acreditamos que os benefícios superam os danos. Se ao saldo for os cento e poucos animais resgatados e muito barulho , que seja! Aprendemos e seguimos em frente. A história ainda nem começou.
 
Glaucia Lombardi
Fundadora e Coordenadora do Cão sem Fome

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Entenda o Resgate no Instituto Royal


Nessa madrugada ativistas invadiram o Instituto Royal resgatando de lá os animais que serviam de cobaias para vários experimentos, a maioria cães da raça beagle, que por serem pequenos e dóceis, são os preferidos dos cientistas para alguns procedimentos.
 
 

Para entender melhor toda essa história segue um breve relato dos últimos acontecimentos.

Ativistas estavam desde sábado dia 12 na porta do Instituto Royal, em São Roque, protestando contra as barbaridades que estavam acontecendo. As informações eram de experimentos dolorosos, animais mutilados a sangue frio, expostos aos piores sofrimentos.

 

O Instituto Royal, é uma OSCIP. Como OSCIP eles podem receber recursos de várias empresas e fomos informados que eles receberam 5 milhões este ano do governo Federal. Ou seja, nós também pagamos pelo que acontece lá, através de nossos impostos.
Os ativistas garantem que o Instituto está totalmente irregular. Foi feita uma  reunião na prefeitura  de São Roque, com o prefeito  e com o Ministério Público para averiguar as denúncias.
Nossa legislação é bem clara: Se existem métodos alternativos, os testes em animais são proibidos! O que ocorre, é que o Instituto Royal não é um instituto transparente, muito pelo contrário: Eles se negam a abrir as portas para vistoria, e se negam a declarar quais testes são realizados ali. Vizinhos, relatam não saber o que ocorre ali, mas contaram que já reclamaram algumas vezes pelo barulho que os cães fazem…“Eles gritam, choram…”
Paralelamente a tudo isso o movimento cresce no facebook e nas redes sociais.
 
 
Uma reunião estava marcada para o fim da tarde desta quinta-feira, com a presença de ativistas dos direitos dos animais, funcionários da prefeitura e representantes do laboratório. O encontro foi cancelado porque a empresa informou que, por segurança, não mandaria um representante.
 
Estava marcada também para sábado dia 19 uma grande manifestação pacífica as 10 horas da manhã em frente ao Instituto Royal, mas esta noite os ativistas foram surpreendidos por uma armadilha. Após o cancelamento da reunião, o Instituto estaria removendo os animais e assassinando alguns cães. Cansados de esperar pela justiça, os ativistas invadiram o Instituto e tiraram de lá os animais.

 

 

Sem nenhuma organização, agindo apenas pela emoção e senso de justiça, apelos surgem em todas as redes sociais e cerca de 150 ativistas invadem o Instituto retirando os cães.
A policia tenta conter a multidão sem êxito e começa então, cenas de resgates que comovem e com certeza fazem história.
Como Protetores de Animais não podemos deixar de nos emocionar com cães e mais cães sendo retirados de suas jaulas, para a liberdade.
A polícia tenta fechar estradas e recapturar os cães e como num triller de cinema, ativistas e simpatizantes fogem, se escondem e espalham animais por todos os lados. Novamente sem nenhum apoio, sem nenhum planejamento, contado apenas com a sorte.
 



O Cão sem Fome é a favor da vida e acreditamos sim, que esse tipo de ação se faz necessária quando os órgãos competentes falham, se omitem, ou se arrastam a passos de tartaruga enquanto dezenas de animais sofrem e morrem a cada hora. Quem tem dor tem pressa! Retirar os animais de lá é o primeiro passo de uma batalha que tem de ser travada com responsabilidade por toda uma sociedade.

Temos que lutar por mudanças legislativas que impeçam lugares como esses de continuarem suas atividades. Senão, fechamos São Roque e pipocarão Institutos similares em outras cidades.

Segundo, esses animais estão doentes! Contaminados com vírus ou veneno: torna-se necessária uma ação efetiva para conhecimento dos protocolos e das fichas de cada animal. O controle biológico da empresa, tem que ter uma numeração para cada animal e o que nele foi usado, até mesmo para saber o resultado do teste utilizado. Adotar um animal desses tem de ser um ato consciente. Ele vai inspirar cuidados! Ele precisa de uma avalição feita por um veterinário competente e isso gera custos.

Alguns podem ser dependentes de drogas e sem os cuidados necessários podem morrer também. Outros podem ser portadores de doenças contagiosas. Estamos falando de animais que precisarão de cuidados especiais.

E, aonde foram parar esses cães? Esperamos que as pessoas que os resgataram tenham essa consciência e esse cuidado.

Há relatos de pessoas distribuindo cães para “quem quisesse levar”. Isso pode matar tanto quanto as atrocidades cometidas pelos monstros do Instituto, pseudo-cientistas.
Para evitar a ação de oportunistas, NÃO COMPRE BEAGLES!
 


Outro ponto importante é saber o nome das empresas que contratam os serviços da Royal, assim como seus produtos. A única maneira de vencer o capitalismo selvagem é restringir a circulação de suas mercadorias. Publicar a lista destes produtos e não COMPRAR! Será que essas empresas se orgulham de estar patrocinando essas matança? A Proteção Animal QUER VER A CARA DESSA GENTE. E quer que a sociedade cobre dessas empresas, uma política sócio responsável sim. Para nós, empresa que financia teste em animais é tão culpada quanto o Instituto. Vamos boicotar e fazer doer no bolso de cada uma o sofrimento dos nossos animais?


E para citar o óbvio: Precisamos de uma justiça séria e de legisladores competentes. O resgate dos beagles, que pode ser condenado como invasão de propriedade, roubo, ou “terrorismo” como algumas matérias se referem nas redes sociais, não é nada além do reflexo da falta de justiça, de leis morosas, políticos corruptos, juízes e delegados omissos e uma multidão de gente dentro da própria proteção animal que ganha notoriedade e holofotes sobre si, pouco se importando realmente com os animais.
É hora de nos unirmos em favor dos cães e precisamos de ajuda!
 
 

O Cão sem Fome se solidariza com todos os ativistas que mostraram a sua cara nessa guerra, famosos ou anônimos. Apoiamos sim a ação realizada, mas queremos posse responsável dos animais apreendidos e que essa seja apenas a primeira parte dessa luta.
Queremos fechar TODOS os Institutos Royal ou similares desse país e queremos saber quem são as empresas e pessoas por trás dessas atrocidades.
 
Mudança Já! A Proteção Animal está cansada de esperar. Temos forças e vamos agir.

 

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

O que é Conscientização?

Quando se fala em conscientização qual é a mensagem que estamos tentando transmitir?
As pessoas acreditam que é um assunto para poucos ou apenas para os que estão envolvidos em alguma causa.
Na realidade é muito mais que isso! É uma questão de educação: Muitos pensam apenas em "TER" esquecendo-se completamente do "SER".
Ser um cidadão consciente é algo que se aprende desde criança, com o incentivo da escola, mas principalmente dos pais.
Criar um cidadão consciente é mais do que abraçar uma causa social, é educar uma criança que tenha como princípio o amor e o respeito seja ele pela natureza, animais e sua própria espécie.
A criança que respeita e se solidariza com o sofrimento de um animal é uma criança que se torna mais humana, gentil e solidária ao mundo como um todo.
Valores como esses parece que se perderam em nossa sociedade que prioriza vídeo games de última geração, celulares e marcas famosas.


Uma criança que aprende, que se é feliz comprando um cão e se não for do seu agrado abandona ou troca por outro sem o menor problema, está aprendendo que tipo de valores?
Como pais, que tipo de adultos estamos deixando para o futuro? Pessoas insensíveis que se importam apenas com seus próprios umbigos, ou pessoas que querem fazer a diferença para um mundo mais justo e solidário?
É hora de pensar sobre o assunto...

 

Rose Zacardi

Psicopedagoga e

Responsável pelas adoções do Projeto Cão sem Fome
 
 

Além da família, a escola também tem papel fundamental para a formação da criança.

Discutir a questão da cidadania e falar sobre posse responsável dos animais de estimação é papel da escola, mas a melhor forma de educar é através de exemplos.

Do que adianta a escola fazer tudo isso e chamar a zoonose para levar um cachorro que vivia nas dependências, ou na porta da escola?

Que tipo de postura cidadã as escolas estão efetivamente realizando?

Adotar um cão comunitário é uma ação possível, prevista na legislação, mas que poucas escolas realizam.

Incentivar a adoção é também abrir a escola para ONGS realizarem eventos de adoção, castração e palestras para incentivar a posse responsável.

Fazer Campanhas de arrecadação de jornal e doação de ração para cães carentes, é uma forma de chamar os alunos e pais para participarem ativamente desse processo.

Escola pró ativa é escola que sai da teoria dos livros e arregaça as mangas para fazer a sua parte e criar alunos mais conscientes.

Está na hora de ir além do capítulo sobre Animais Domésticos, estudado no livro e realmente falar sobre Proteção Animal de forma responsável e atuante.

Também é hora de pensar sobre o assunto...

Glaucia Lombardi

É arte educadora e coordenadora do

Projeto Cão sem Fome

 


* Desenho feito por uma criança de dez anos para conscientizar seus colegas de classe sobre a importância de adotar um cão abandonado.

 

terça-feira, 27 de agosto de 2013

Como ser um Voluntário Cão sem Fome

Todos podem ser voluntários, basta querer. Se você, em algum momento de sua vida já pensou em ser voluntário e desistiu, ou não sabe por onde começar, aí vão algumas dicas:
 
 
     1. Defina em qual atividade você mais gostaria de colaborar:
  
Muitas pessoas acham que ser voluntário de um Projeto que ajuda animais é ter que lidar diretamente com eles. Isso pode ser angustiante para algumas pessoas, que por sentirem dó do animal, não conseguem manter uma relação tão estreita. Porém há muito mais coisas a serem feitas fora dos Quintais, do que dentro deles! Você pode ser um voluntário de transporte, nos ajudando a retirar doações, um voluntário de informática, auxiliando o Projeto de dentro de sua própria casa. Você pode se responsabilizar por um ou mais coletores de ração, nos ajudar em eventos ou pode vender nossos produtos. É graças a todas essas atividades que conseguimos manter os nossos peludos!
 
  1. Busque informações sobre a causa que você pretende defender.
Quer colaborar com o Cão sem Fome? Acesse nosso site e navegue pelo nosso blog. É importante você conhecer o Projeto onde pretende atuar. Cada projeto ou ONG tem suas normas, valores e missão. Vale a pena perder alguns minutos lendo a respeito, para você ter certeza que compactua dos mesmos valores e princípios desse Projeto. Você encontra aqui os nossos Valores essenciais.
     
     
  1. Defina que tipo de trabalho você pode desempenhar de acordo com suas habilidades.
Você pode escolher realizar atividades voluntárias a partir de sua atuação profissional ou algo que você gosta de fazer em suas horas vagas. Ou ainda, você pode escolher fazer coisas que sempre desejou fazer, mas nunca teve oportunidade! Será muito enriquecedor vivenciar isso!
 
 
  1. Verifique a sua disponibilidade de tempo para se dedicar a essa atividade.
Analise seu dia a dia e defina qual a carga horária e os dias disponíveis para seu trabalho voluntário. Lembre-se que você estará assumindo um compromisso com o Projeto e contaremos com você. A palavra compromisso só tem um significado: COMPROMETER-SE, e compromissos muitas vezes demandam sacrifícios. Trabalho voluntário não é aquilo que se faz, quando não se tem nada a fazer, isso se chama passatempo. O trabalho voluntário é um compromisso a mais a ser colocado na sua agenda, e muitas vezes, tem de ser feito, juntamente com o monte de coisas que você tem que dar conta naquele dia. Nossos voluntários que o digam! Abraçar essa causa demanda boa vontade e o comprometimento necessário que fará você perder horas de sono, de lazer, de convívio com a família para servir á essas criaturinhas que não podem pedir por si mesmas.

 Quer se juntar a nós? Mande um email para caosemfome@gmail.com
 
 

domingo, 18 de agosto de 2013

Ideia genial - CACHORROS INVISÍVEIS

Vejam só que ideia genial!..

Encontramos essa notícia no Portal do Dog.

Que alegria saber que gente ao redor deste planeta todo se importa, inventa, cria e viabiliza cada vez mais formas de a causa animal ter espaço nas nossas cidades, nos nossos bairros, nossos pensamentos e corações!


Para ler a notícia na íntegra, acesse aqui.

Equipe CSF

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Em busca do Adotante Ideal


Muito se fala na psicologia canina sobre o "cão ideal", mas nós do Projeto Cão sem Fome buscamos muito mais que isso, buscamos o "adotante ideal". Acreditamos no respeito, na segurança e no carinho e temos certeza que isso sim, torna um cão "ideal" aos nossos olhos. Não existe o "cão mau" existe o cão que aprendeu a ser mal tratado. Nossas protetoras resgatam esses cães diariamente, cuidam de sua saúde e resgatam sua confiança.
Nossos filhotes são fruto do descaso e do abandono, são cadelas prenhas abandonadas, caixas com filhotes encontradas nas ruas, pois todos os cães do Projeto são castrados e vacinados.
Para adoção é necessário ter tempo disponível para educar um cãozinho, ter espaço adequado em casa e ter consciência que um bebê irá chorar nos primeiros dias até adaptar-se a família.
Tomar uma decisão de adotar um cão é doar o seu coração para um animalzinho abandonado nos próximos 15 anos de sua vida, então é necessário muito mais que comprometimento, é necessário muito amor e responsabilidade.
Paciência é a palavra chave nessa fase, um cão dos nossos Quintais está habituado a conviver com no mínimo 50 cães no seu dia a dia. Ir para um local diferente com pessoas diferentes pode deixá-lo assustado nos primeiros dias e é preciso atenção e carinho nessa fase. Respeite esse momento do cão, seja delicado nas brincadeiras e nas carícias, ele precisa aprender a confiar em você, pois sofreu e foi abandonado por pessoas, ás vezes é difícil confiar nelas novamente.

Algumas pessoas ao adotar esperam que o cão goste delas imediatamente, pelo simples fato de estarem dispostas a adotá-lo. Nossos cães não vivem em abrigos abandonados, eles tem uma Protetora que cuida, dá amor e carinho diariamente. Eles são muito gratos e apegados a essas Protetoras que os salvaram, portanto é você que terá de conquistá-lo.
Já tivemos experiências ruins principalmente com filhotes, que por pularem ou arranharem crianças são devolvidos. Para nós isso é inadmissível. Preferimos não doá-los, pois nossa intenção não é  “nos livrar" de nossos cães e sim a busca pela posse responsável, onde dono e cão construam uma relação de amor e amizade mútua.

Se você tiver crianças em casa pense que terá que ensinar primeiro o seu filho, a respeitar e amar esse cão.
Um cão não é um bicho de pelúcia, tem sentimentos e precisa de um lar amoroso e responsável e um lugar no coração de quem está disposto realmente a amá-lo.
Adotar um cão é muito mais que alimentá-lo e dar abrigo, é cuidar de sua segurança, saúde bem estar físico e emocional. Pense que você terá que cuidar desse animal quando ele ficar doente e quando ficar velho. Lembre-se que ele mudará totalmente sua rotina. Você precisará arrumar tempo para ele, reorganizar suas viagens de férias, incluí-lo nos programas de domingo e no seu orçamento.
Nosso lema é a busca de um dono comprometido, porque  dono ruim os cães já tiveram.
Se ao ler tudo isso acha que realmente está preparado para adotar um cão e ser capaz de amá-lo incondicionalmente, parabéns você estará pronto para ser um ADOTANTE IDEAL!

Rose Zacardi
Responsável pelas adoções do CSF




quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Vitórias e Desafios

Desde o lançamento da nossa Campanha "Adote essa Ideia", 18 peludos foram adotados em nossos Quintais.

Teríamos muito a comemorar se não fosse a alarmante situação de abandono atual. Enquanto levamos semanas de trabalho para conseguir uma única adoção, filhotes são abandonados em caixas por todos os lados, idosos, mãezinhas prestes a dar a luz, cães doentes, vira-latas ou cães de raça. Não há limites para o abandono.

Todos os dias pessoas entram em contato conosco pedindo ajuda para algum cão abandonado. O Projeto Cão sem Fome não faz resgates, mas se fizesse, teríamos pelo menos, 100 cães a mais todos os meses.

Não há ONG, Abrigo, Protetor ou CCZ que dê conta de tantos tutores irresponsáveis e de tanto abandono.

Muitas pessoas se revoltam contra as ONGS que não acolhem os animais de rua, mas essa revolta deveria ser dirigida à própria população. Faça um balanço do que acontece ao seu redor: Seus animais são vacinados e castrados? Todos seus parentes e amigos tem animais castrados? Todos seus vizinhos são donos responsáveis e cuidam bem dos seus animais? Essas pessoas do seu convívio adotam animais de ONGS ou compram em Pet Shops? Tem um cão comunitário na sua empresa ou na sua rua? Seus colegas de trabalho tem animais castrados e microchipados? Quantas pessoas que você conhece ajudam animais de rua?

Se você olhar de forma mais crítica para a realidade à sua volta, verá de onde surgem o abandono, os maus tratos, a falta de consciência e a posse irresponsável.

Mas, se você encontra um animal na rua, sua primeira atitude é ligar para alguma ONG resgatá-lo... Se fizer isso você vai descobrir que ninguém poderá ajudá-lo. Todas as ONGS estão superlotadas e Abrigos tradicionais ameaçam fechar as portas. Você já visitou algum desses lugares?

A proteção animal não precisa de mais ONGS e sim de mais cidadãos conscientes. Se cada um fizesse a sua parte, sobraria muito pouco para as ONGS fazerem.

Se você encontrar um cão abandonado, arregace as mangas e faça o que tem de ser feito. Se isso te tocou de alguma forma, essa é a oportunidade de adotar uma postura cidadã. Se a atitude dos amigos e familiares não contribuem para o bem dos animais, conscientize e busque interagir de forma pró ativa para mudar essa situação. Se os seus vizinhos maltratam algum animal, denuncie. Se alguém quer um animal, incentive a adoção e não a compra de um cão de raça, muitas vezes originário de uma fábrica de fundo de Quintal. Não financie os maus tratos e a exploração de fêmeas indefesas.

Diminuindo o abandono, melhoramos a qualidade de vida de todos.

Por isso nosso apelo: Castração e Posse responsável são as soluções. Faça a sua parte!

Sempre castre seu animal!

Não compre! Adote um animal carente!

Denuncie maus tratos.

Adote essa Ideia!


 
OBS: Todos esses cães foram salvos por protetores do Projeto Cão sem Fome

domingo, 4 de agosto de 2013

Evento de Adoção - As responsabilidades de cada um


Hoje em dia vejo muita gente se dizendo “Protetor de Animais”, mas poucos realmente se comportando como tal.

Em um Evento de Adoções sempre aparecem pessoas querendo “divulgar” animais e não adotar.

Alguns dizem que são Protetores e resgataram aquele animal e agora precisam colocá-lo para adoção. Até ai tudo bem. Qualquer pessoa, comovida pela situação de um animal pode recolhê-lo, e não podendo ficar definitivamente com ele, colocá-lo para adoção. Só que a partir do momento que este animal está com você, ele é de sua responsabilidade e você deve ter a consciência que seus atos irão traçar para sempre o destino desse ser e de outros que ele possa vir a gerar.

É obrigatório por lei doá-lo castrado. Isso é importantíssimo! Só assim você vai garantir que esse animal não procrie e dê origem a muitos outros abandonos. Lembre-se: Não há lares para todos os animais abandonados. Esse animal teve a sorte de ter encontrado você em seu caminho, porém, para cada animal resgatado, quantos morrem vítimas da crueldade e do abandono?

Para doá-lo, ele também deve estar vacinado. Isso não é garantia de saúde, mas diminui bastante as chances desse animal estar doente, ou ser contaminado.

Existe uma lei que regulamente Eventos de Adoções, orientando Protetores sérios como proceder: Leia aqui!

Se você não é Protetor, mas tem um cão ou gato para doar, isso também se aplica a você!

Vejo uma preocupação maior em se castrar a fêmea, porque o problema acaba sendo do proprietário do animal, mas a castração do macho é ainda mais importante! Quantos filhos, em diferentes fêmeas um macho solto na rua pode fazer? Você já pensou no tamanho do problema?

Se você não foi responsável e não castrou sua cachorrinha e ela deu cria a 10 filhotes, você não pode colocá-los em uma caixa e despejá-los em uma Feira de Adoção, ou na porta de um Pet Shop.

Você tem que vaciná-los, castrá-los e depois doá-los. E castrar também a sua cachorra, porque você vai descobrir que é muito mais fácil castrar um animal do que 10. Agora, doar todos esses animais sem castração, apenas para se livrar do problema que você mesmo arrumou é crime.

Se você não quer mais seu cão, você não pode abandoná-lo em qualquer evento de doação. Mesmo se ele estiver vacinado e castrado, ele continua sendo sua responsabilidade até ser doado.

O mínimo a ser feito, é você dispor de seu tempo e levá-lo nesses eventos, acompanhar o processo de adoção, divulgá-lo por todos os meios possíveis, até conseguir um novo lar.

 
Se você é um Pet Shop e quer promover um Evento de Adoção, faça parcerias com Protetores sérios, que tem animais bem cuidados e se comprometem com a vida, seguindo as normas existentes para adoção.
 

Se você for adotar, prestigie trabalhos responsáveis como o do Cão Sem Fome, só adote cães vacinados e castrados. Não contribua para o abandono e para as fábricas de filhotes!

Vamos praticar a verdadeira proteção animal!
 

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Cão Comunitário - Adote essa Ideia

Está se tornando cada vez mais freqüente empresas, escolas e órgãos públicos entrarem em contato conosco para que fiquemos com algum animal abandonado, que se encontra no local.

A história é sempre a mesma: O animal é super dócil, está sendo cuidado pelos funcionários, ou freqüentadores, mas não pode permanecer no local, então se não acharem uma ONG que venha buscá-lo ele será sacrificado.

A sociedade precisa urgentemente adotar uma postura mais cidadã e temos que ter mudanças nas leis, que possibilitem as pessoas bem intencionadas conseguirem resultados melhores do que sacrificar animais dóceis, bem cuidados e saudáveis.

A atual legislação não permite animais em órgãos e locais públicos, tais como: Parques, escolas, praças, estações, etc... E porque não?

Qual o problema de se adotar o sistema de “Cães Comunitários” nesses locais? Em São Paulo, a lei Estadual 12.916 de 2008 já permite Cães Comunitários: Cachorros que sejam adotados por grupos específicos de pessoas, que têm a responsabilidade de cuidar de um ou mais animais, sem necessariamente levá-los para casa. Essas pessoas precisam oferecer todas as condições para que os animais tenham uma vida saudável, sendo que os animais são castrados, vacinados e microchipados.

O mais famoso caso de Cão Comunitário teve sua história contada no filme “Sempre ao Seu Lado”, onde após a morte do seu dono o cão continua esperando por ele na mesma estação de trem ,e é cuidado por funcionários e passageiros.

Todas as escolas deviam adotar um Cão Comunitário, pois os benefícios são inúmeros: Além de ensinar as crianças a respeitar os animais, um cão trabalha o emocional e o psicológico das pessoas.

A desculpa que o cão pode morder a criança é lamentável. Cães  bem tratados e dóceis só mordem se forem ameaçados, pois cachorro não é saco de pancada. Crianças que convivem com animais são mais calmas e aprendem principalmente valores como respeito, responsabilidade, bondade e cidadania.

E o que se falar dos parques ou Condomínios Fechados? Qual o problema dos funcionários bem intencionados terem um Cão Comunitário, que faça companhia durante as rondas, durante a manutenção e limpeza e que usufrua desse espaço público?

As empresas deviam adotar também mascotes. A presença de um animal combate o estresse e a monotonia do dia a dia. Favorece a interação entre os funcionários e trabalha a afetividade e as relações interpessoais.

Cães Comunitários podem viver muito bem e muito tempo, sendo mantidos por uma comunidade em uma rua, praça, condomínio ou qualquer estabelecimento.

A proteção Animal é papel de toda uma sociedade e não pode ser apenas delegada às ONGS. O velho discurso: “Se você não ficar com o cão, ele será eutanasiado” não funciona mais. Todas as ONGS estão abarrotadas de animais graças ao descaso do poder público e ao comodismo de toda uma sociedade que acha que resolve o problema empurrando o animal para um Abrigo.

Cão Comunitário não é a solução de todos os problemas, mas salva vidas, promove mobilizações em prol da causa animal, fortalece as relações pessoais nas comunidades e alivia a super lotação em que se encontram as ONGS.

Cão Comunitário: Adote essa Ideia!

 
Se quiser saber mais sobre esse assunto acesse esse link e veja o que esse pessoal do bem anda fazendo por aí!