domingo, 21 de julho de 2013

Bastidores de um Evento de Adoção – Presentes

Não é raro pessoas procurarem um cão ou gato para darem de presente. Uma senhora entrou em contato querendo um cachorro para seu filho recém casado. Seria uma surpresa para ele, já que o rapaz ama cães e sempre teve cachorro. Depois das perguntas freqüentes, soubemos que os recém casados moravam em um apartamento pequeno, trabalhavam fora e que a nora não havia sido comunicada sobre “a surpresa”. Sugerimos que a senhora conversasse com o casal a respeito, pois apesar de movida das melhores intenções, era necessário saber se o casal concordava em assumir esse compromisso. A senhora depois entrou em contato conosco, para dizer que a nora não concordou com a adoção. Esse é apenas um dos casos em que uma adoção pode virar um conflito familiar e uma dor de cabeça para todos.

Cachorro não é presente! É escolha! E essa escolha deve ser pensada e discutida com toda a família. Esse tipo de presente não só é embaraçoso e cria problemas familiares como também a chance de devolução do animal é grande.

O mesmo se aplica o rapaz que pegou um cachorro para dar de presente para a namorada e com o rompimento do namoro, ela mandou o animal embora junto com o namorado. O cão nos foi devolvido meses depois. Imagina o sofrimento do animal? Depois de ser criado e mimado pelo casal apaixonado, ser descartado junto com as amarguras do rompimento como se fosse um objeto.

Casais sem filhos que adotam um animal também devem ter em mente que ele fará parte da família pelos próximos 10 ou 15 anos. Mesmo que venham a ter filhos, descartar ou devolver o animal é desumano, muito embora seja uma atitude bem freqüente. É absurdo o número de animais devolvidos com a desculpa do nascimento de um bebê na família. Além do trauma do animal, essa família ainda perde a grande oportunidade de criar uma criança junto com um cão ou gato, atitude esta que lhe trará muitos benefícios no futuro. A falta de sensibilidade dos pais com os seus animais, demonstram que tipo de crianças estarão criando para esse mundo e que tipo de valores estão passando para elas.

Uma exceção onde cachorro pode ser presente, é quando os pais resolvem presentear seus filhos, pois os pais são os gestores da casa e sabem que a responsabilidade desse “presente” é deles. Mesmo assim, antes de presentear seu filho com um cão ou gato, é importante prepará-lo para receber esse ser com amor e respeito. Cachorro pode ter sido um presente, mas não é brinquedo. Crianças podem ter atitudes cruéis se não forem bem orientadas: Puxar o rabo, sentar em cima, enfiar os dedos nos olhos do animal, gritar, assustar, bater, tornam qualquer cão, por mais meigo que seja, uma fera.

Cães latem, rosnam, arranham e mordem para se defenderem. Em alguns casos os adotantes entram em contato conosco para devolver o animal que arranhou ou mordeu a criança. A pergunta que fazemos sempre é: O que a criança fez para o cão? Na maioria das vezes o cão apenas estava se defendendo, portanto cabe aos pais educar seus filhos sobre como tratar um animal com carinho e respeito.

Nos tempos de hoje, que as crianças tem acesso a tantas informações, convém também conversar para ver se o animal que vai ser adotado, é o que a criança gostaria.

As crianças estão muito suscetíveis as informações contidas nos filmes e programas de TV. Se ela assistiu o filme “Marley e Eu” e foi isso que a inspirou querer um cão, ela já tem formada a imagem do cão que ela quer. Se os pais derem um cão preto e pequeno e a criança quer um cão grande e bege, está criado um conflito e o animal sempre leva a pior.

Cães a gatos não são presentes. Adote essa Ideia!
 
Pitty está para adoção. Mestiça com Pit Bull, 5 meses, castrada e vacinada.
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente!