terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Não pode adotar? Que tal apadrinhar?


Se você não pode adotar um animal, mas é apaixonado por cães, como nós, você pode se tornar um padrinho.

O padrinho Cão sem Fome contribui mensalmente com um valor a partir de R$35,00 para a manutenção do afilhado, que ele escolhe na nossa lista de cães disponíveis.

A partir daí ele recebe fotos e noticias do seu afilhado por email e pode acompanhar no nosso site, tudo que acontece no Quintal onde mora o cãozinho. Se o afilhado fica doente, muitos padrinhos ajudam no tratamento, pagando os remédios ou os procedimentos necessários para manter o bem estar do animal.

Mas, a função de padrinho não pára por aí. Além de ajudar financeiramente, alguns padrinhos resolveram “arregaçar as mangas” e ajudar efetivamente seus afilhados, tornando-se também  voluntários.

Foi o que aconteceu com a Adriana, madrinha da Pipoca que se juntou a um mutirão de tosa no Quintal da sua afilhada e dedicou seu domingo para deixar os animais peladinhos e felizes para enfrentar o calor forte desse verão. O mesmo acontece com a Dra Andrea, madrinha do Sherif, veterinária que coordena o Projeto Consultando Geral do Cão sem Fome.

Nestes casos a Adriana é tosadora profissional e a Andrea veterinária, ambas usam seus conhecimentos para ajudar os animais carentes, mas ter conhecimento ou experiência na área, nem sempre é necessário, pois há muito o que fazer.

A Camilla, madrinha da Menina, nos ajuda a controlar os animais nos mutirões de vacinação e tem se saído uma excelente “babá”.

O Murilo, padrinho da Magrela se engajou na causa e desde então tem ajudado em várias ações nos nossos Quintais. Apesar de não ser da área, ele já sabe montar vacinas e colabora nas ações de saúde que realizamos.

A Janaina trabalha com jardinagem e é madrinha da Capitu. Ela nos disponibiliza transporte para carregar as doações, ração e tudo que for necessário até os Quintais.

Já a Sonia, madrinha da Cristal, é responsável pelo nosso evento de adoção na Clinica Veterinária Lins no último sábado do mês.

Se você não tem tempo para tanto comprometimento, pode participar de outras formas. Alguns padrinhos fazem visitas esporadicamente ou nos ajudam a distância, mobilizando amigos e familiares para colaborarem com nossas Campanhas de Vacinação ou de Arrecadação de Ração, por exemplo.

O Cão sem Fome valoriza muito os seus Padrinhos, pois essa é a única forma de garantirmos o mínimo de atendimento digno aos nossos cães.

Nossos esforços são para criar laços afetivos entre os padrinhos e seus afilhados. Ser padrinho de um peludo Cão sem Fome é ter um cãozinho para chamar de seu, mesmo que a distância.

Ficamos muito felizes quando a distância fica tão curta, que os padrinhos passam a conviver realmente com seus afilhados.

E você? Não quer ser padrinho de um peludo carente?

Veja como, no nosso site.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente!