sábado, 23 de agosto de 2014

Voluntários de Frente


De todos os trabalhos no Cão sem Fome, sem dúvida o mais difícil é o do voluntário que atua diretamente nos Quintais, pois ele convive de perto com o abandono dos animais, os problemas dos Protetores e a situação crítica do ambiente.

Muitas pessoas se cadastram querendo trabalhar com os cães, porém para atuar nos Quintais só são escalados voluntários preparados e selecionados, entre aqueles que já atuam no Projeto.

Primeiro, porque a realidade de um Quintal de animais é muito dura e poucas pessoas estão preparadas emocionalmente para conviver com ela.   Segundo porque o Cão sem Fome não tem abrigo próprio. Os animais ficam na casa dos Protetores e como em toda casa que se entra, devemos respeitar a privacidade do morador.

Um Quintal também não tem estrutura para visitação pública. Pessoas estranhas deixam os animais agitados, nervosos. Os cães latem, fazem barulho, incomodam a vizinhança que depois vem reclamar com o Protetor. Ou às vezes brigam entre si, por causa de atenção ou ciúmes, destroem portões, querem escalar alambrados... Muitos animais tem traumas, decorrentes do abandono, então para lidar com esses animais é necessário muito tato e preparo.

Além de tudo isso, temos que proteger os Protetores, porque há pessoas que se passam por voluntários apenas para conhecer o espaço e depois desovar mais cachorros ainda na porta do Protetor, ou mesmo, se acham no direito, de levar um ou outro cão, que encontram abandonado.

Por todas essas razões, só vamos nos Quintais para realizar ações que beneficiem os animais: Ações de saúde, que precisam de assistentes e veterinários voluntários. Mutirão de banho e tosa, que precisa de tosadores com prática, que saibam lidar com os animais, ou campanhas emergenciais, onde escolhemos o perfil certo de voluntário que necessitamos naquele momento.

Também há mensalmente visitas para abastecer os Quintais com a ração doada e verificar as necessidades urgentes de cada local, mas esse controle é feito pessoalmente pela coordenadora do Projeto e uma equipe de confiança.

O que esses Voluntários de Frente vivenciam? Lidam com a morte, com doenças, com pulgas e carrapatos, com vítimas de maus tratos e abandono. Mas também assistem de perto lindas vitórias: Cães que chegam doentes e se curam. Cães que chegam magrinhos e desnutridos e engordam, ficando bonitos novamente. São esses voluntários que apreciam de perto esses animais sofridos descobrirem o carinho, os cuidados e a confiança nas pessoas. São eles que vêem esses cães vivendo felizes nos próprios Quintais que os acolheram, ou os que são adotados, fazendo famílias felizes.

Também vivenciam o dia a dia dos Quintais, com todos problemas que ocorrem e buscam soluções. São eles que analisam quais animais tem condição de serem preparados para adoção, quais as situações mais urgentes que precisam de uma interferência do Projeto e quais as necessidades individuais de cada Quintal. 

Além de zelar pelos animais, esses voluntários precisam também saber lidar com os Protetores, em uma relação de parceria  e respeito mútuo onde todos trabalham pelo bem dos cães acolhidos.
É o trabalho do Protetor, junto com esses Voluntários de Frente que salva vidas e mantém um acolhimento digno para os animais. 

São esses Voluntários que fazem a sua doação chegar até os peludos necessitados, levando comida, cobertas, jornal, casinhas e tudo que nos é doado. São eles também que levam carinho, colo, cuidados e proteção aos peludos carentes.

Mas esse trabalho não é nada fácil e exige muito tempo e dedicação. Os Voluntários de Frente têm um calendário de responsabilidades com os Quintais e têm que cumpri-las nos dias e prazos estipulados. Há um cronograma para levar vacinas, remédios e ração para abastecer os Quintais,  que exige um grau de comprometimento muito grande dessas pessoas.

Neste mês do voluntário queremos agradecer aos Voluntários de Frente, que são responsáveis diretamente pelo bem estar dos nossos animais e portanto são a alma do Cão sem Fome.

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Como ser voluntário?

Todos podem ser voluntários, basta querer. 
Se você, em algum momento de sua vida já pensou em ser voluntário e desistiu, ou não sabe por onde começar, aí vão algumas dicas:
  • Defina com qual atividade ou causa você mais gostaria de colaborar. Você pode trabalhar com infância, adolescência, terceira idade, pessoas em situação de rua, animais, entre outros.
  • Verifique a sua disponibilidade de tempo para se dedicar a essa atividade.
  • Defina que tipo de trabalho você pode desempenhar. Você pode escolher realizar atividades voluntárias a partir de sua atuação profissional ou escolar, ou algo que você gosta de fazer em suas horas vagas. Ou ainda, você pode escolher fazer coisas que sempre desejou fazer, mas nunca teve oportunidade! Será muito enriquecedor vivenciar isso com outras pessoas.
  • Busque informações sobre a causa e a ONG que você pretende defender. Isso é muito importante! Cada Projeto ou ONG tem suas normas, valores e missão. Quando se colabora com uma Equipe que está afinada com o que você pensa e considera importante, todos ganham.

As pessoas que colaboram com o Cão Sem Fome e estão na mesma sintonia de idéias, se sentem adotadas pelo Projeto. São adotadas pelos nossos cães que retribuem seu tempo e seus cuidados, oferecendo em troca muito carinho e alegria!


Se você escolher ser um voluntário Cão Sem Fome, saiba que há muitas áreas para atuar. As pessoas acham que um voluntário Cão Sem Fome só cuida dos animais, mas isso não é a realidade. Mesmo que você não se sinta preparado para lidar com o abandono e o sofrimento dos animais há muitas coisas que você pode fazer:
  1. Transporte. O Cão Sem Fome sobrevive de doações, então você deve imaginar quantas doações temos que retirar e entregar nos Quintais. Se você tem carro e um tempinho disponível, pode ajudar a coletar doações para nós.
  2. Eventos. Bingos, bazares, festas...Os eventos são essenciais para a nossa sobrevivência. Só através dos eventos , podemos pagar as nossas despesas que são muitas e precisamos de voluntários para os eventos acontecerem.
  3. Campanhas. Você pode fazer uma Campanha para arrecadar ração na sua escola, na sua empresa, com amigos e familiares. Um das missões do voluntário é mobilizar as pessoas a sua volta para que colaborem com a causa que você defende.
  4. Atuar nos eventos de Adoção. Ajudar a cuidar dos animais durante o evento é muito legal para quem quer ter um contato direto com os cães.
  5. Atuar nos Quintais. Se você tem algum conhecimento que pode ser útil nos nossos Quintais seja bem vindo. Precisamos sempre de veterinários, tosadores, adestradores que queiram doar seu tempo e seu conhecimento para nossos peludos.
  6. Venda de produtos. Se você leva jeito para vendas, pode nos ajudar a vender os produtos Cão Sem Fome, que ajudam na manutenção de nossos animais.
  7. Marketing. Quer ajudar a divulgar o Cão Sem Fome? Você pode criar banners e materiais de divulgação para nós ou ajudar com o site e outros canais de divulgação, sem sair de casa.


Gostou? 
Entre em contato com caosemfome@gmail.com e junte-se a nós!

Equipe CSF

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Voluntários de Adoção! Você sabe como trabalham?

Estamos no Mês do Voluntário e hoje vamos falar sobre um tipo de voluntário muito importante para nós, que é aquele  que trabalha em nossos Eventos de Adoção.
Para trabalhar em um Evento de Adoção é imprescindível responsabilidade, pontualidade e comprometimento. Se você se comprometer, saiba que estaremos contando com você e se você faltar, todo o evento será prejudicado.
O voluntário de Adoção tem que gostar de cães e saber lidar com eles. Durante o evento leva os cães para passearem na redondeza, para que não fiquem só nas gaiolinhas ou nos cercadinhos, o que seria muito estressante. Também tem que dar água, comida e recolher as sujeiras que os peludos fazem, buscando manter o ambiente limpo e agradável para todos. Se está frio agasalhá-los, e limpá-los se estiverem sujinhos. Enfim, cuidar dos peludos!





Em alguns locais podemos dar banho nos animais, então se você tem conhecimentos de tosa e banho também pode ajudar.
É importante também saber dar informações sobre os cães para interessados e atender bem as pessoas.
Os peludos do Cão Sem Fome são animais dóceis, mas muito assustados, pois além de serem vítimas de maus tratos e abandono, hoje vivem nos Quintais na companhia de muitos outros cães e só são cuidados pelas Protetoras, ou seja: eles não têm contato com gente!
Muitos têm medo de rua, porque passaram maus bocados vagando com fome e frio antes de encontrarem os Protetores. Outros têm medo de pessoas, porque não conhecem colo, afago, beijinhos e carinho, afinal um protetor que cuida sozinho de 70 ou mais animais e ainda trabalha para sobreviver, não tem muito tempo de ficar com os animais no colo.
Então um dos papéis mais importantes do Voluntário de Adoção é dar carinho.
Pegar o animal no colo, brincar com ele, dar afeto e atenção é muito importante para prepará-lo para uma adoção.
Animais que sabem interagir com as pessoas, pulam em cima, pedem colo, abanam rabo e acabam sendo adotados mais rapidamente. Animais tímidos, medrosos, desconfiados tem menos chances, acabam passando por chatos, sem graça ou até avaliados como “doentes ou problemáticos”, sendo que eles só estão com medo e desconfiados - compreensível, né?
A única chance desses animais mudarem esse comportamento arredio é dar a eles experiências boas, para que estejam mais preparados para uma nova vida. Durante o Evento de Adoção, os voluntários estão ajudando nesse processo, pois é o único dia que eles têm atenção total, carinho e cuidados, por isso esse trabalho é tão importante.






Se você é responsável, tem disponibilidade aos sábados, sabe lidar com animais e quer ser um Voluntário de Adoção entre em contato com caosemfome@gmail.com

Junte-se a nós!

Equipe CSF