quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Carol e Manuela

Eu e minha mãe sempre tivemos o desejo de adotar, mas como tínhamos acabado de perder uma cachorra e ainda tínhamos mais quatro, meu pai não queria. 
Foi então, que em uma semana eu e minha mãe cismamos que iríamos adotar e decidimos entrar no site do Cão Sem Fome Logo que bati o olho eu me apaixonei, era aquela cachorra que eu sempre quis: descabelada, pequena e com cara de vira-lata mesmo ahaha. Minha mãe ainda viu outros cachorrinhos mas nenhum dava certo com a nossa situação, que precisaria se dar bem com mais cachorros. Parecia que só a Bebel daria certo! 
E finalmente convencemos meu pai. Só que tinha um problema, a Bebel era de um sítio longe e de complicado acesso... Não desistimos e esperamos 3 dias. Coitada da Rose por me aguentar falando e ligando pra saber sobre a cachorra! Foram os dias mais longos da minha vida e da minha mãe, não dormíamos só pensando na cachorra e com medo de não dar certo. E graças a Glaucia que foi num sábado de manhã nesse sítio super longe buscar, nós conhecemos a Bebel. E logo no caminho para casa decidimos colocar o nome de Manuela.
Nos primeiros dias foi muito difícil, ela tinha pavor de homens, não se aproximava do meu pai de jeito nenhum e logo no segundo dia ele levou uma mordida, não se deu bem com as outras cachorras, tinha medo de rua e carros. Mas não era por isso que íamos devolve-lá, quando as pessoas adotam acham que o cachorro já vai vir perfeito e acostumado com a casa, mas não é assim, tem que respeitar o espaço do cachorro, é uma mudança gigante na vida dele.
E com muita paciência e carinho, em 3 semanas ela já se acostumou com as outras cachorras e com meu meu pai e virou o xodó da família. Ela está sempre animando todo mundo, sempre abanando o rabo, disposta a brincar e dar carinho pra gente, é incrível como ela parece ter uma gratidão por nós. Ela pode até ter comido alguns chinelos no começo, mas isso não vale nada comparada a alegria que ela trouxe a nossa casa, ela mudou nossas vidas completamente e até nos aproximou mais. E a nossa intenção agora é que ela tenha a melhor vida possível, mimada ao máximo, pra esquecer esses anos que não tinha uma família.
E o mais duro pra gente foi ouvir que a Manuela teve uma chance única, que se não adotássemos, muito provavelmente ninguém mais iria... Então não pense que se você não adotar, tem quem adote. Não é assim que funciona. Abra seu coração e deixe um cachorrinho completar sua vida como a Manu completou a nossa!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente!