Depoimentos


Seguem abaixo depoimentos de pessoas que fazem parte da história do Projeto Cão Sem Fome e também de pessoas, que através do Projeto, encontraram um grande amigo!

Ficamos muito felizes em fazer parte dessas histórias, de inícios, recomeços e encontros tão especiais!


***

DEPOIMENTO: O testemunho de uma voluntária: Rose Zacardi



Eu sempre tive muita vontade de fazer um trabalho voluntário, mas nunca encontrei nada que me transmitisse credibilidade o que eu particularmente acho importantíssimo. Procurei muito na minha área (educação), e sempre acontecia algo ou algum imprevisto que me impedia de executar, o tempo foi passando e dentro de tudo que eu pude me aperfeiçoei , decidi que com a pós graduação em psicopedagogia clínica eu estaria mais preparada. Novamente fui a campo, eu tinha orfanatos, ONGS, abrigos, creches que trabalhassem com crianças em mente, afinal é o que sabia fazer! Disponibilizei meu trabalho em diversos locais, sim eu digo meu trabalho porque voluntário trabalha e muito, pois muitas pessoas acham que ser voluntário é como ter um hobby fazer o que quiser quando bem entender e não é assim, requer muito empenho, responsabilidade e comprometimento. Recebi recusas de todos os tipos como: "Só aceitamos pessoas conhecidas", "Não precisamos de voluntários do jeito que está, está bom". Fui realmente desanimando...afinal eu tinha essa vontade de poder ajudar muito intensa dentro de mim.

Um dia acessando o Facebook, vi na página de uma amiga um pedido do Cão sem Fome, eu nunca tinha pensado nos cães apesar de ter uma afinidade incrível e ser apaixonada por eles, mas e a experiência??? Fui checar se o projeto era confiável e minha amiga me garantiu que sim e me passou o contato de uma das voluntárias que me tratou muito bem, e disse que eu seria muito bem vinda ao projeto. 

O projeto trabalhava basicamente com captação de recursos, e é o que eu tinha que fazer, na época para arrecadar dinheiro para comprar ração era preciso vender uns bonés e uma camisetas e eu confesso não ter a mínima vocação para o comércio...principalmente vendas, mas aceitei o desafio afinal depois de ser aceita eu jamais poderia recuar, me empenhei, fiz campanha com a família, amigos, e consegui vender tudo, mas era pouco ainda e o projeto precisava de muita coisa. Participei de eventos, fui em ações de vacinação, e quando percebi já estava intimamente ligada aos cães sabendo os nomes e tudo o que se passava com eles. E resolvi que realmente era aquilo que eu queria e que eu tinha capacidade para ajudar. Começamos a pensar em outras maneiras de conseguir recursos pois os "quintais" estavam aumentando e foi quando resolvemos lançar a linha de produtos com a marca "Cão sem Fome" e sem querer eu me envolvi de corpo e alma no projeto pois eu sabia que precisava fazer a diferença e aqueles cães vítimas de tanta maldade precisavam de toda ajuda que eu pudesse proporcionar seja ela de que tamanho fosse.
Hoje com muito orgulho faço parte da equipe que me acolhe como no primeiro dia, todo trabalho é um desafio porque é preciso aprender e ter humildade de errar e acertar. Com muita felicidade carrego comigo o nome do Projeto Cão sem Fome que me ensina a ser uma pessoa melhor e me incentiva todos os dias a ter vontade de lutar e vencer cada luta diária, porque não é fácil, há uma batalha a ser vencida, precisamos vencer barreiras, a crueldade, o abandono, o preconceito. Mas cada olhar de um cão e cada cãozinho que ganha uma família me deixa extremamente feliz e me faz querer mais e mais conquistar finais felizes.
Hoje eu posso dizer que sou uma pessoa realizada, que ganhei amigos maravilhosos na equipe e 340 peludos que me dão muita força para acreditar que o mundo pode melhorar sim, se cada um doar um pouquinho de si, que na realidade é muito, o pouco para nós é incrivelmente muito na vida desses cães.
Agradeço a Deus por ter feito com que a coisa certa acontecesse no momento certo. Tenho muito orgulho de poder dizer:
" Sou a Rose do Projeto Cão sem Fome"


Rose Zacardi



E, Rose, tenha certeza de que o Projeto CSF tem muito orgulho de ter você como parte dele!



Equipe CSF



***



DEPOIMENTO: Nancy Ferreira, Rio de Janeiro - madrinha do Apollo


                     "Não  sei  dizer  exatamente  quando  foi  a  primeira vez  que tive contato com o Projeto Cão Sem Fome,  talvez tenha sido através do Facebook.  Mas uma coisa é certa: a seriedade do Projeto foi me cativando cada vez mais.
                Gosto de equipe que realmente “veste a camisa” e trabalha, não apenas pede doações, sem que sequer saibamos a sua destinação. Os produtos do Cão Sem Fome são impecáveis em qualidade, em acabamento e, principalmente em constante inovação; há sempre uma novidade, motivando-nos a contribuir para a causa dos peludos. E tudo tão bonitinho! E onde há capricho nos produtos, não pode deixar de ser igual no tratamento aos cães.
                Vejo, no blog, verdadeiros exemplos de dinamismo e criatividade: as campanhas de esfihas, as doações de bicicletas, as campanhas de apadrinhamento e adoção, o concurso de fotos com a mantinha (excelente ideia!) e outros eventos, configurando a união e a alegria do grupo, sempre buscando meios para que os peludos tenham dignidade e saúde.
                Por tudo isso, o Cão Sem Fome me conquistou! Até hoje não havia conhecido uma obra assistencial tão dedicada, batalhadora, bem-humorada e simpática. Meus e-mails sempre são respondidos com carinho, as contribuições (que eu adoraria que pudessem ser mais altas) agradecidas, demonstrando a personalização de cada contribuinte. Imagino o quanto deve ser difícil responder a todos, ainda mais com carinho!
                Parabéns a esta equipe de gente que faz a diferença! Tenho certeza que vocês encontraram o caminho certo: tratar com amor, imprimindo este sentimento em cada atitude que tomam. Felizes os peludos que estão sob a responsabilidade de vocês!
                Com admiração e afeto,
                Nancy Ferreira"


***


DEPOIMENTO: Andrea Torrento - Advogada e fotógrafa amadora


"O meu primeiro contato com o Projeto Cão sem Fome foi através do Facebook ao responder um compartilhamento de uma amiga em comum, o qual solicitava  fotógrafos para fotografar os cachorros dos canis, a fim de fazer um calendário para angariar fundos para a manuntenção dos animais. Sendo uma fotógrafa amadora, a princípio meu interesse era a oportunidade de fotografar e talvez fazer uma boa ação.

Convidada pela Gestora do Projeto, compareci ao Quintal da Dona Cecília (Grajaú) e me deparei com uma situação muito precária, e vi a importância do que eu havia me proposto a fazer.

Eram cães por todo lado, no chão, andando sobre os muros, uns presos, outros soltos, mas TODOS sorrindo pela nossa chegada, porque além das fotos que seriam tiradas, a gestora do projeto trazia comida... Não havia nem mais um grão de ração para aqueles animais... se assim não fosse, a partir daquele dia os cães passariam fome.

Uma situação muito diferente do que vejo na maioria das casas em que convívo, onde graças a Deus há fartura, inclusive para os animais.

Os cães abrigados no canil foram abandonados ou mal tratados, não possuem pedigree e não tinham ninguém por eles até serem abrigados pela D. Cecília, de quem tive uma lição de desapego material, uma pessoa simples, trabalhadora, amorosa que compartilha o pouco que tem com todos aqueles animais que um dia foram desprezados.

Diante de tudo que pude ver, dei conta da relevância do projeto, da importância do calendário, de tudo do que já foi feito e de quanto ainda precisa ser feito!

O fotógrafo que tira foto de seres vivos deve sempre ter em foco o olhar, foi um pouco difícil fotografar mesmo com minhas ajudantes, pois eram muito agitados, mas das fotos que tirei, vi muitos sorrisos, olhares carinhosos e de gratidão dos bichinhos por nós estarmos lá, mal sabem eles das lições de amor, respeito e de perseverança que eles me deram.

Andrea"


***

DEPOIMENTO: Andrea Costa

"Kipu

Pequenininho, pretinho, olhos melancólicos, foi isso que me inspirou a escrever o texto da nossa primeira adoção pedindo uma chance.

E quem diria que eu mesma daria essa chance.

Único macho de uma ninhada de 5 filhotes, ele foi ficando, as fêmeas foram sendo adotadas, trouxe ele pra casa pra dar um banho e tirar novas fotos para um novo pedido de chance.

Depois de 72 hrs, meu coração que estava de luto pela perda de um cãopanheiro de 12 anos o Tutchi, se rendeu aqueles olhinhos miúdos tristonhos, jeito meio medroso, assustado.


Vi como o Theo, meu outro cãopanheiro de 8 anos, reagiu a presença desse novo amigo, ficou com cara de paisagem uns 3 dias, mas depois disso já estavam dividindo a mesma cama. Amém!
Agora precisava escolher o nome, depois de várias sugestões e algumas pesquisas na net, encontrei o nome perfeito...
KIPU – significa FELIZ em tibetano.
Muitos amigos acharam o nome feio, esquisito, mas tudo bem o meu novo amiguinho gostou e reagiu muito bem a esse nome...rsrs


Algumas pessoas perguntaram porque um nome tibetano??..rs...explico...o Tutchi era um lhasa apso, essa raça é originária do Tibet, no século 18 era conhecido como o guardião dos monges budistas, o leão dos templos tibetanos, e meu menino tinha um jeitão zen de ser, pronto uma maneira de homenagear quem me trouxe tanta felicidade,quem foi um super cãopanheiro durante 12 anos.


Tenho certeza de que a escolha do nome foi perfeita, a casa esta cheia de alegria, o corre corre pela disputa da bolinha voltou, o Theo esta voltando a sorrir. 
Acho que a frase perfeita pra explicar o que eu e minha cãofamilia estamos sentindo é...


ESTAMOS KIPU!"


***

DEPOIMENTO: Alice Paula



"Gente, essa é a minha princesinha Nina, vocês viram que linda?!
Ganhei de presente... de Deus e do Cão Sem Fome...
Bjks e obrigada a toda equipe!"


***


DEPOIMENTO: Glaucia Lombardi


"Cada vez que encontramos um lar para um de nossos cãezinhos sinto uma dupla felicidade.
Minha praticidade me diz, que salvei mais uma vida, mas meu coração me diz, que na verdade, eu tornei duas vidas melhores: o peludo ganha casa, comida e cuidados, mas o seu adotante ganha amor incondicional, ganha a oportunidade de sorrir depois de um dia difícil no trabalho, ganha um companheiro para as horas livres, alguém para esquentar seus pés, para ouvir aquilo que você não teria coragem de contar nem para si mesmo.
E essas pessoas, se não tinham cachorro antes, vão experimentar agora essas sensações.
Pensando assim, um prato de comida, um pouquinho do seu tempo e da sua atenção, uma caminha quente e água fresca, é muito pouco por tudo o que se recebe em troca..."


***

Equipe Cão Sem Fome